Capitanias Hereditárias – Resumo

Capitanias Hereditárias – Resumo
5 (100%) 2 votes

Confira o resumo para auxiliar o seus estudos sobre todo o sistema das capitanias hereditarias que foi um dos primeiros sistemas administrativos implantados em terras brasileiras.

Como todos nós sabemos, no longíquo ano de 1500 eis que Pedro Álvares Cabral chegou ao litoral do que hoje compreendemos como o nosso território, o nosso Brasil. Porém, no início a divisão foi do nosso território foi completamente diferente daquilo que conhecemos hoje. E agora o Resumos Prontos vai esclarecer esse assunto pra você de uma maneira bem resumida.

Capitanias Hereditárias – Resumo

Logo após o descobrimento do Brasil pelos Portugueses, o território nacional foi divido em Capitanias Hereditárias. Esse sistema foi adotado pelo império lusitano pois a corte Portuguesa tinha poucos recursos para explorar e colonizar um território tão amplo como o nosso. Com isso, lotes de terra foram doados a particulares que tiveram a obrigatoriedade de colonizar e explorar essa áreas.

É importante lembrar que de início, esse foi um sistema de bastante sucesso.

Esse sistema de Capitanias Hereditárias foi adotado no Brasil durante o todo o período colonial (período esse compreendido entre o início do século XVI até o século XVIII), sendo apenas extinto pelo Marquês de Pombal no ano de 1759. Diante disso, os territórios perderam a denominação “Hereditária”, mas ainda continuaram a ser conhecidas como Capitanias.

Para que nada fugisse ao seu controle e ainda conseguisse reinar sobre os donatários, o Rei de Portugal ofertou aos mesmos uma série de benefícios dentre eles:

  • Podiam dar terras aos que quisessem cultivá-las;
  • Fundar vilas e nomear funcionários
  • Também na justiça’ seus poderes eram enormes, pois podiam até condenar à morte escravos e pessoas comuns; quanto aos nobres só aplicava essa pena se eles tivessem cometido um crime de traição ao rei ou contra a religião;
  • Podiam ainda escravizar índios para o seu serviço e até vender certo número deles em Lisboa.

O benefício era tanto que, se por ventura algum Donatário fosse acusado de alguma crime ou irregularidade, antes de ser julgado ou penalizado, poderia ir até a presença do Rei para se justificar e, quem sabe, reverter a situação. Outro fator que demonstrava autonomia dos Donatários era o fato de que nenhum funcionário poderia entrar em uma Capitania e perseguir um criminoso sem a licença do Donatário.

Os Donatários lucravam com as Capitanias diante da cobrança de impostos sobre os produtos da terra como alimentos e etc. Porém, exportar Pau-Brasil era benefício apenas da Corte.

A Divisão das Capitanias Hereditárias

Capitania Limites aproximados Donatário
Capitania do Maranhão (primeira secção) Extremo leste da Ilha de Marajó (PA) à foz do rio Gurupi (PA/MA) João de Barros e Aires da Cunha
Capitania do Maranhão (segunda secção) Foz do rio Gurupi (PA/MA) a Parnaíba (PI) Fernando Álvares de Andrade
Capitania do Ceará Parnaíba (PI) a Fortaleza (CE) Antônio Cardoso de Barros
Capitania do Rio Grande Fortaleza (CE) à Baía da Traição (PB) João de Barros e Aires da Cunha
Capitania de Itamaracá[2] Baía da Traição (PB) a Igaraçu (PE) Pero Lopes de Sousa
Capitania de Pernambuco Igaraçu (PE) à foz do Rio São Francisco (AL/SE) Duarte Coelho Pereira
Capitania da Baía de Todos os Santos Foz do Rio São Francisco (AL/SE) a Itaparica (BA) Francisco Pereira Coutinho
Capitania de Ilhéus Itaparica (BA) a Comandatuba (BA) Jorge de Figueiredo Correia
Capitania de Porto Seguro Comandatuba (BA) a Mucuri (BA) Pero do Campo Tourinho
Capitania do Espírito Santo Mucuri (BA) a Itapemirim (ES) Vasco Fernandes Coutinho
Capitania de São Tomé Itapemirim (ES) a Macaé (RJ) Pero de Góis da Silveira
Capitania de São Vicente (primeira secção)[3] Macaé (RJ) a Caraguatatuba (SP) Martim Afonso de Sousa
Capitania de Santo Amaro Caraguatatuba (SP) a Bertioga (SP) Pero Lopes de Sousa
Capitania de São Vicente (segunda secção) Bertioga (SP) a Cananéia/Ilha do Mel (PR) Martim Afonso de Sousa
Capitania de Santana Ilha do Mel/Cananéia (SP) a Laguna (SC) Pero Lopes de So

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *